quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ideias para decorar e aproveitar a parede da cabeceira

Embaixo da janela, com a lateral encostada na parede ou posicionada de modo tradicional, a cama pede não apenas a cabeceira como boa companhia. Que tal aproveitar também a parede da cabeceira e fazer com que ela ganhe status decorativo? Inspire-se nestes projetos de quarto e deixe a área da cama com muito mais estilo.

 

Neste quarto infantil, a cabeceira fica na lateral da cama (Tok Stok). Para completar a decoração da parede em dois tons, a arquiteta Carolina Neuding usou aquarelas pintadas pelo seu avô. Tons e estampas de padrões unissex permitem acomodar meninos e meninas.
A parede da cabeceira recebeu um papel de cor forte (da loja virtual Wallpaperfromthe70s). Faz, assim, um contraponto à base branca do quarto projetado pelo designer Paulo Castellotti e confere ao ambiente uma atmosfera retrô. Roupa de cama, da Auping.
Paredes e criados-mudos brancos, combinados à cama box, resultavam num conjunto pouco atraente. “Os moradores queriam um ambiente mais aconchegante”, conta a arquiteta Carolina Haguiara, do escritório Área Arquitetura. Para aquecer o espaço, ela desenhou um painel horizontal de madeira de parede a parede. Feito de MDF, tem acabamento de folhas de curupixá tingido. Dois frisos demarcam a área da cama. No quarto compacto, sobraram exatos 70 cm nas laterais da cama. Criados-mudos laqueados e cabeceira executados pela Malta Design de Móveis.
Neste quarto, assinado pela arquiteta Paula Magnani Freitas, a estrutura da cama se resume a um tablado revestido de lona de caminhão (JRJ) e à cabeceira estofada, que parece composta de grandes almofadas. Fotos de André Dip e poltrona do Estudiobola.
Para dar a este quarto um clima francês, a decoradora Christina Hamoui cobriu a parede atrás da cama com papel adamascado (modelo Lancaster Damasquis, da Celina Dias). "O revestimento acompanha o tom da seda que forra a cabeceira", conta ela. A porção contemporânea do espaço aparece no criado-mudo espelhado (Casa Pronta). Roupa de cama da Valencien e tapete da By Kamy.
Mais do que uma simples cabeceira, toda a parede atrás da cama ganhou placas estofadas, de camurça sintética cinza (tecido da Tecdec), formando um aconchegante painel. É uma opção quando a cama não pode ficar centralizada em função do formato do ambiente. “Usamos esse recurso para equilibrar visualmente o espaço. A paginação assimétrica confere um movimento gráfico”, diz a designer de interiores Valeria Bartholi, autora do projeto junto com Carla Asevedo. Sobre o gaveteiro espelhado, quadros da Arterix e luminária da Kartelll. O pufe e a banqueta são da Benedixt.
A cabeceira da cama desta suíte reúne painéis revestidos de palha (Torcetex) e de couro (La Novitá) e um módulo lateral de freijó lavado, madeira também usada na moldura. "Estes materiais remetem à história do mobiliário brasileiro", diz a arquiteta Carolina Rocco, que assina o ambiente.
Na suíte de Rosa May Sampaio, um estêncil (Adriana e Carlota Atelier de Pinturas) delimita a área da cama e adorna a parede atrás da cabeceira. Mesas da Juliana Benfattie gravuras de Eliseu Visconti.
Uma opção bacana para aproveitar a parede onde se apoia a cabeceira da cama é revesti-la com um painel de madeira. Você pode aproveitá-lo como móvel, para organizar livros e decorar a parede com quadros e objetos de arte. Lâmpadas xenon embutidas iluminam e destacam o nicho cavado. “Mas é preciso cuidado, pois uma parede inteira de madeira pode escurecer o ambiente. Nesse caso, tínhamos bastante luminosidade”, ressalva o arquiteto Luiz Fernando Grabowsky, que assinou o projeto deste quarto de 25 m2. A cabeceira, desenhada pelo profissional, é de couro sintético da Artefacto. Roupa de cama e manta da Trousseau. Luminárias da Lumini.
Linho cinza-chumbo (Entreposto) reveste esta cabeceira de 3,70 x 1,20 m. “Bolei um painel dividido em dez partes. O resultado é uma peça almofadada que cobre toda a largura do quarto e assim contribui para alongar o espaço”, explica a arquiteta Adriana da Riva. A disposição inusitada dos quadros em preto e branco completa a decoração e quebra a simetria da cabeceira reta.
A designer de interiores Luciana Penna priorizou materiais naturais e revestimentos com diferentes texturas nesta suíte de 15 m2. Palha do Empório Beraldin reveste a parede atrás da cama. Essa opção é um hit entre os profissionais como opção para dar cor e textura às paredes. O mesmo vale para papel e tecido. Na cabeceira, revestida de seda, também da Beraldin (execução da Wall Decor), vão criado-mudo e luminária embutidos, para não roubar centímetros do quarto.
No quarto projetado por Roberta Moura, a cabeceira é forrada de linho (Ana Maria Simões Lopes) e combina com o tom da estampa do papel de parede. Almofadas coloridas da Anthropologie.
A cabeceira original da cama é estofada e foi embutida em uma caixa de MDF revestida de carvalho-americano. Mas ela parece se estender na vertical com o painel ripado de madeira. Ele, na verdade, foi uma solução encontrada pelo arquiteto Leonardo Junqueira para ocultar uma das duas janelas do quarto e, assim, posicionar melhor a cama. O painel se divide em duas folhas que correm para as laterais para deixar a janela aberta. As paredes atrás da cabeceira receberam chapas de MDF, que foram cobertas de palha natural (Nani Chinellato).
A arquiteta Juliana Savelli apostou no papel de parede (coleção Grafismo, linha Azulejo, da Bobinex) como ponto chave da decoração deste quarto. Já que a cama não tem cabeceira, é o papel rosa e as almofadas rolinho (Cinerama) que cumprem esse papel.
Na parede de cabeceira deste quarto de 20 m2, chama a atenção a combinação de três materiais: o revestimento estampado do papel de parede (Orlean), o lambri e o painel de couro. “Apesar de clássica, a composição de papel de parede e lambri ficou atual com a estampa floral e as réguas irregulares”, explica a arquiteta Carmen Zaccaro, que assina o ambiente junto com Marise Kessel. Almofadas brancas pequenas do Empório Beraldin e manta azul da Alfaias.
Neste quarto, o arranjo de quadros e um mix de imagens sagradas e profanas, cumpre a função de cabeceira com estilo. A solução foi dada pelo arquiteto Marcelo Alvarenga. Roupa de cama da Monograma.
“Uma cabeceira convencional neste quarto de 3,50 m de altura deixaria a impressão de vazio”, afirma a arquiteta Elaine Gonzalez, do escritório Tieppo & Gonzalez. A solução foi uma estrutura de drywall, revestida de papel de parede (Paper.com). Um nicho no centro apoia objetos e demarca a cabeceira de fato.
Para personalizar a área da cama, com cabeceira feita de MDF, foi aplicado tecido floral (Jaki Tecidos) sobre a parede. O processo é simples, basta usar cola branca. Quando cansar da estampa, é só molhar a superfície e se deixar levar por outros desenhos e cores. E o tecido dispensado fica pronto pra revestir outras superfícies depois de lavado e livre da cola. O projeto do quarto é da decoradora Cláudia Bitelo.
Antes de instalar a cabeceira e o criado-mudo suspenso, a arquiteta AndreaPontes encomendou uma meia-parede de drywall na qual ambos foram parafusados. Com15 cm de profundidade, a estrutura serve de apoio para mimos, como a releitura do Davi, deMichelangelo, e a foto de Nova York, completando a cabeceira. Lustre italiano preto com cristais da Mantra. Almofadas Classics, da MMartan, enfeitadas com rosas de organza.

 

Fonte: casa.com.br

Um comentário:

  1. Olá, ficou muito bom o post! Parabéns! E obrigada pela referência!
    Se interessar, curta também nosso blog em:
    http://www.julianasavelli.com.br/blog

    ResponderExcluir